Decisão sem emoção, eis a razão! Como não tomar decisões ruins

Tomamos cerca de 35.000 decisões por dia.

É o que afirma um vídeo da Microsoft com diversas fontes.

Desde que você abre o olho na cama, esse processo inicia. Mas como melhorar o nível das decisões?

Cada vez mais está claro que o processo emocional é parte importante em uma tomada de decisão, mas ao mesmo tempo pode atrapalhar, e muito.

Renunciamos à razão quando reagimos emocionalmente.

De decisões simples como tomar ou não um café, às decisões que impactam toda vida.

Casar ou não? Ter filhos? Trocar de emprego? Qual faculdade seguir?

Os exemplos são infinitos.

Ray Dalio, no livro “Princípios” traz algo interessante:

Se você dirige, saberia me dizer como decide o cálculo que define a distância do seu carro para o da frente?

Você pode dizer que sabe, mas se fosse explicar para quem não dirige, como faria?

Difícil, não?

Muitas decisões são tomadas de forma inconsciente de acordo com nossas experiências.

Experimentamos algo parecido em algum momento, o cérebro processa a experiência que serve de base para situações futuras parecidas, e ajuda no processo decisório.

São os “atalhos” mentais, ou vieses cognitivos. Nossas experiências, no entanto, não garantem de forma alguma serem os melhores modelos.

O risco de tomar decisões equivocadas é grande, se nos basearmos exclusivamente no nosso viés de confirmação.

E aí fica a grande pergunta:

Se temos cerca de 35.000 decisões por dia, como podemos garantir que são as melhores?

Assim como não existe técnica capaz de garantir que você terá excelentes resultados em determinada área.

A única existência real é a de probabilidades, estatísticas.

Entra aí o processo de lógica, que tem uma relação forte com a parte racional, não emocional.

“Se na maioria das vezes que apostei dinheiro em jogos eu perdi, então apostar não é uma boa ideia”.

“Se na maior parte das situações que confiei e me envolvi com pessoas desconhecidas eu quebrei a cara, então não parece uma boa decisão confiar em desconhecidos”.

Faz sentido? Saímos do processo emocional e passamos a racionalizar mais as tomadas de decisão.

Sem “achômetro”.

Passamos a nos basear em fatos, dados, e cada vez menos em “intuição”.

É o que a inteligência artificial faz hoje.

Dados coletados demonstram alguns padrões que servem como base de cálculo para prever um resultado.

Você pode através desse tipo de inteligência ter uma boa ideia do que pode ou não acontecer, dependendo da decisão que for tomada.

Segundo o site significados.com, “um algoritmo é uma sequência de instruções ou comandos realizados de maneira sistemática com o objetivo de resolver um problema ou executar uma tarefa.

São como uma receita de bolo: uma sequência de ações que devem ser executadas até que o objetivo final – o bolo pronto – seja atingido”.

Algoritmos são dados coletados que demonstram padrões.

Mas Felix, eu não tenho acesso a “algoritmos” ou coisas do tipo. Como tomar boas decisões com base em tudo isso?

Simples, perceba os padrões.

Quando você tomou boas decisões, o que havia que não estava presente quando tomou decisões ruins? E vice-versa.

Quando se fala em “autossabotagem”, estamos nos referindo a padrões equivocados que se repetem, o que faz com que você entre em uma sequência de repetições que não te deixam evoluir.

Totalmente emocional.

Um algoritmo tira a emoção do processo decisório, e aumenta a eficácia.

Faz sentido?

Mais razão e menos emoção a partir de agora nas suas decisões.

Sua vida agradece.

Links Recomendados
Reprograme seu subconsciente para enriquecer
Descubra como reprogramar seu subconsciente para enriquecer em apenas 11 minutos e 11 segundos por dia.
Basta apertar o “play” e deixar que estas técnicas avançadas implantem novos caminhos neurais de prosperidade e abundância no seu cérebro.
4 1 vote
Dê uma nota para este artigo
Se inscrever
Notificar de
guest
1 Comentário
Mais antigas
O mais novo Mais Votados
Comentários em linha
Exibir todos os comentários
Ana
Ana
24 dias atrás

Se encontrar padrões nos resultados das escolhas e passar a decidir apenas com base no que já foi experiência, racionalmente, poderia iniciar um processo de autossabotagem por não arriscar o novo, acreditar que, tendo acontecido algumas vezes, sempre terá resultados iguais, e isso é uma inverdade! Posso decidir racionalmente sobre determinada situação mesmo que já tenha tido experiências negativas e enfim, superar o registro…se eu tiver alguns casos amorosos fracassados não deveria tentar o próximo porque eles sempre fracassam? se bati o carro mais de uma vez, deveria parar de dirigir? Se vi algumas pessoas praticando maldades, devo entender que a humanidade não presta? me corrija, por favor…

Artigos recentes

Veja as publicações dos nossos especialistas